A Zaask, plataforma online que actua no mercado português (www.zaask.pt) e espanhol (www.zaask.es), surge com a missão de facilitar significativamente o processo de contratação serviços locais. Assim sendo, ajuda os clientes a encontrar o profissional certo para qualquer serviço (desde um canalizador, a um personal trainer ou designer), onde e quando precisa do mesmo e, simultaneamente, ajuda os profissionais a conseguirem trabalhos na sua área de interesse, contribuindo para aumentar o seu volume de negócios.

O processo é muito simples: o cliente faz o seu pedido e recebe até 5 orçamentos gratuitos e personalizados de profissionais disponíveis para realizar os seus projectos, quando e onde precisa dos mesmos. Uma dúvida muito recorrente é: se fazer um pedido não envolve qualquer tipo de custo para o cliente, então, como é que a Zaask ganha dinheiro? A resposta é: vendendo as oportunidades de negócio aos prestadores de serviço. Estas oportunidades, graças à qualidade e diversidade dos formulários apresentados, primam pela sua exactidão e pormenor, factores que se revelam completamente cruciais para um profissional poder mensurar o seu interesse e disponibilidade para o cumprimento do serviço. Ao mesmo tempo, traduzem-se na chave principal para compreender o valor dessas mesmas oportunidades.

Para que o valor das oportunidades seja justo, a Zaask desenvolveu um algorítmo de Pricing que define automaticamente o preço de cada lead. Este é constantemente melhorado e tem como base quatro factores: informação contida no pedido, taxa de conversão, número médio de respostas nessa categoria e localidade e uma margem entre 5% a 10% sobre o valor angariado pelo Profissional.

Esta foi a forma que encontrámos para que, na maioria das vezes, um profissional não pague pelos pedidos que não ganha. Torna-se simples perceber que um profissional cuja taxa de conversão se revela acima da média, pagará uma menor percentagem à Zaask. Por outro lado, um Profissional que tenha abaixo da média pagará uma percentagem maior.

Se quiser ler o artigo completo, escrito por Luis Martins, CEO da Zaask, clique aqui.